Pular a navegação e ir direto para o conteúdo


Atualizando o fluxo das 10 Mais

Publicado em 25.09.2008 por na(s) categoria(s) Fluxo Investidores

Já faz algum tempo que não reporto dados sobre o estudo do Fluxo das 10 Mais. Isso porque poucas novidades ocorreram. Além do que, ainda acho que os resultados precisam “amadurecer”.

A divergência com o movimento do principal índice brasileiro continua. Apesar das recentes quedas no fluxo esta semana, o movimento das corretoras gringas continua crescente.

(mais…)

Raio X do mercado – 11/09

Publicado em 11.09.2008 por na(s) categoria(s) Análises

A Petrobras foi a grande vedete do mercado brasileiro hoje. As ações da empresa apresentaram uma forte valorização (+9,48%), resultado da descoberta de petróleo no poço de Iara, na camada pré-sal da Bacia de Santos, anunciada ontem à noite pela estatal.

O petróleo cotado em Nova Yorke,  pouco influenciou a empresa brasileira (como de costume),  já que a commodity fechou em queda de 1,51%, cotado nos US$101,03. Esse pessimismo se deve ao impacto negativo da expectativa de desaceleração da demanda, além da valorização do dólar no mercado internacional de divisas.

PETR4s
PETR4 – Gráf. Diário

Próximas resistências nos 32,00 e 33,80. Coincidindo com as médias móveis de 10 e 21 períodos.
Teste importante na LTB.

petroleo
Petróleo – Gráf. Diário

Continua o teste importante no suporte dos US$100,00.
O rompimento desta barreira psicológiga, deixa espaço aberto até a mínima do ano nos US$86,00.

O Copom anunciou ontem a noite, o já esperado aumento na taxa de juros brasileira, de 0,75%, passando para 13,75% aa. O grande destaque foi o resultado apertado (5 a 3) em favor do aumento. Presume-se desta forma, que o aperto monetário diminua de intensidade nas próximas reuniões.

O dólar apesar da forte valorização da bolsa, continuou seu caminho e apresentou mais uma valorização (+1,40%). Como já é notório, sustentado pelos estrangeiros nos mercados futuros.

DOLFUT

fluxo

Dólar Futuro

Fluxo – Dólar BMF

A alta do Ibovespa hoje alcançou 3,30%. Em grande parte graças ao forte movimento da Petrobrás.
Isso fica claro, quando olhamos o movimento do Risco Brasil. Com a forte valorização da nossa bolsa, o normal seria a queda do índice medido pelo JP Morgan, mas o que se viu foi exatamente o contrário. O Risco Brasil subiu 2,99%, chegando nos 275 pontos.

IBOV

riscobrasil

IBOV – Gráf. Diário

Risco Brasil

Nos EUA além dos novos pedidos de seguro-desemprego  diminuírem em 6 mil na semana, no confronto com a anterior, ficando em 445 mil, a situação precária do Lehman Brothers atraiu novamente as atenções.

Ontem, a agência de classificação de risco Moody’s Investors Service colocou os ratings de longo prazo do banco em revisão, sem previsão de elevação ou rebaixamento definida.  Já a Standard & Poor’s Ratings anunciou que manterá os ratings em lista de observação com implicações negativas.

Já se ouvem boatos no mercado, sobre um possível socorro do Fed juntamente com outra instiuição privada. A idéia seria seguir os moldes da operação envolvendo o Bear Stearn e o JP Morgan a alguns meses.
Talvez por isso, o humor no Dow Jones melhorou no final do dia e o índice fechou com uma alta de 1,46%.
As ações da Lehman hoje, continuaram a derrocada e perderam mais de 40% do seu valor.

lehman

DJI

vix

Lehman Brothers
Gráf. Diário

Dow Jones
Gráf. Diário

VIX
Gráf. Diário

O VIX, índice de volatilidade do S&P500, mostrou uma redução da oscilação nos ativos da bolsa americana. Um bom sinal do indicador, mas amanhã os números sobre a inflação americana podem trazer de volta o nervosismo.

Fluxos – Agosto

Publicado em 03.09.2008 por na(s) categoria(s) Fluxo Investidores

/

Em agosto o saldo dos estrangeiros na Bovespa fechou negativo em R$ 2,251 bilhões, resultado de compras de R$ 33,905 bilhões e vendas de R$ 36,157 bilhões. Em 2008, o saldo é negativo em R$ 16,535 bilhões.

Ao longo do mês foram apuradas apenas cinco entradas: nos dias 6, 19, 20, 27 e 28. O volume de retiradas apresentado em agosto, embora seja considerável, é
bem inferior aos recordes históricos atingidos em junho e julho deste ano, quando foram registradas saídas de R$ 7,415 bilhões e R$ 7,626 bilhões, respectivamente.

tabela

fluxobov

fluxobov2

Olhando para o Fluxo das 10 Mais, as coisas são um pouco diferentes. O estudo ainda é muito recente, portanto foram considerados apenas os dados a partir do mês de Julho.

Em Julho, as 10 principais corretora estrangeiras retiraram do nosso mercado R$ 3,4 bilhões. Já no mês de Agosto, como os gráficos já mostraram anteriormente, o saldo voltou a ficar positivo em R$ 768 milhões. Apesar da mudança de rumo, o número ainda é muito baixo, afinal de contas esse montante representa 1/5 da média de volume transacionado diariamente na Bovespa.

.

Depois das férias

Publicado em 02.09.2008 por na(s) categoria(s) Análises, Fluxo Investidores

Hoje na prática os mercados americanos voltaram a ativa, depois das férias do mês de Agosto.

Passado o susto com o furação Gustav,o petróleo abriu o dia despencando. Chegou a ser cotado nos US$105,50 , dez dólares abaixo do fechamento de sexta, atingindo o limite de flutuação de preço e levando à paralização dos negócios na plataforma eletrônica. Mas com o passar do dia, se recuperou e fechou nos US$109,71 em Nova Yorke (-4,98%) . Deixando uma configuração gráfica de retomada dos preços no curto prazo.

petroleo
Petróleo – Gráf. Diário

O patamar dos US$110,00 juntamente com a MM 200 períodos que antes funcionavam como suporte, hoje serviram de barreira para retomada dos preços.
Próximo suporte US$ 100,00.

Acompanhando o passo, o CRB caiu , reagindo principalmente à valorização generalizada do dólar. Só que não mostrou a mesma força de recuperação do “ouro negro”. Fechou cotado nos 378,55 pontos, queda de 3,36%.

crb
CRB – Gráf. Diário

Com o feriado de ontem, o CRB abriu com um grande gap e não conseguiu superar (assim como o petróleo) o antigo suporte, agora resistência, nos 378,50.
Próximo suporte 360,00.

A devolução das perdas no petróleo afetaram as bolsas americanas, que abriram o dia com uma forte puxada pra cima, mas não resistiram.  O Dow Jones terminou o dia em baixa de 0,23%, aos 11.516,9 pontos, o S&P perdeu 0,41%, aos 1.277,57 pontos, e o Nasdaq recuou 0,77%, para 2.349,24 pontos.

Os indicadores econômicos divulgados hoje, pouco influenciaram na performance da bolsa americana. O índice ISM de atividade no setor de manufatura caiu para 49,9 em agosto, abaixo do patamar de 50 (sugerindo contração da atividade), mas ficou levemente acima dos 49,5 previstos pelos economistas. Já os gastos com construção cederam 0,6% em julho, um pouco acima da retração de 0,5% esperada pelos economistas.

indices
Índices Americanos

Ao lado, os principais índices americanos sobrepostos.
Nasdaq subiu mais forte, mas também foi a única (até o momento) a perder o último fundo.

A Bolsa paulista acompanhando as commodities, recuou 1,37%, aos 54.404 pontos. Oscilou entre a mínima de 54.207 pontos (-1,73%) e a máxima de 55.412 pontos (+0,45%). No mês, acumula baixa de 2,29% e, no ano, de 14,84%. O volume financeiro totalizou R$ 4,201 bilhões, mais que o dobro do registrado ontem (R$ 1,998 bilhão).

Além das vedetes Petrobras e Vale, destaque negativo para as siderúrgicas, Usiminas PNA derreteu 6,33%, CSN ON, -5,79%, Gerdau PN, -2,62%, Metalúrgica Gerdau, -2,79%. Uma notícia do outro lado do mundo não foi vista com bons olhos pelo segmento. Segundo a Dow Jones, que cita o diretor-gerente da Nanjing Iron & Steel United, Yang Siming, as siderúrgicas chinesas vêm reduzindo sua produção há um mês, prejudicadas pela diminuição de demanda e pelos custos elevados de produção. Demanda menor também acende o sinal amarelo nas empresas brasileiras.

sider
Siderúrgicas

Seguindo a idéia dos gráficos sobrepostos trago os principais players do setor de siderúrgia.
Hoje, a configuração gráfica mais atraente, se encontra na GGBR4 e GOAU4.

Nos fluxos, mais um teste muito importante para o nosso estudo do Fluxo das 10 Maiss. Isso porque, o saldo das dez principais corretoras estrangeiras, terminou novamente o dia no positivo (+90 milhões), insistindo na divergência com a bolsa brasileira.

fluxo10mais

Enquanto o Ibov não resiste e testa o fundo anterior, o Fluxo das 10 Mais, mostra que os estrangeiros continuam o processo de acumulação.

O mês de Setembro, representa a volta ao trabalho para os mercados mundiais. A partir de agora devemos ter uma noção mais clara sobre o que nos espera para o restante do ano.

.

A prova que faltava

Publicado em 27.08.2008 por na(s) categoria(s) Análises, Fluxo Investidores

Se existia alguma dúvida de que o tom pessimista do mercado brasileiro está perdendo força, depois da manchete de hoje no jornal O Valor Econômico, não resta mais nenhuma:

Carteiras de ações começam a registrar regates em agosto

Os fundos de renda variável apresentaram uma saída de recursos na ordem de mais de R$6 bilhões até agora. Os principais cotistas destes fundos são as pessoas físicas. Como já é sabido e demonstrado, (veja o artigo “Mais uma prova“) o fluxo de recursos da pessoa física é inversamente proporcional ao dos estrangeiros e consequentemente ao direcionamento do principal índice brasileiro.

Desta forma, as recentes altas apresentadas pelo Ibov juntamente com o saldo positivo da última semana no fluxo das 10 Mais, reforça a idéia de que um novo horizonte começa a se abrir.

Abaixo segue o Fluxo das 10 Mais, atualizado:

fluxo

IBOV

Fluxo 10 Mais – Diário acumulado

IBOV – Diário

A única ressalva fica ainda pelo volume abaixo da média apresentado nos últimos pregões pelo mercado. Isso denota a cautela do investidor[bb] frente a um cenário bastante preocupante, formado por uma crise financeira e temor de recessão na Europa e Japão.

Hoje o Ibovespa fechou com valorização de 2,13%, aos 55.519 pontos. Mas o giro financeiro segue reduzido, apenas R$ 3,58 bilhões.

Em Wall Street, a alta no preço do petróleo, reflexo de um furacão que ameaça a infra-estrutura petrolífera no Golfo do México, teve pouca influência sobre o humor do investidor. O que deu o tom dos negócios foi a alta acima do esperado nos pedidos por bens duráveis, que foi recebida como um sinal de melhora no ritmo de crescimento econômico. O Dow Jones encerrou o pregão com valorização de 0,79%, enquanto o Nasdaq ganhou 0,87%.

..

Fluxos após dias de alta

Publicado em 21.08.2008 por na(s) categoria(s) Fluxo Investidores

10maisDepois dos últimos dias de ganhos expressivos no mercado brasileiro, se faz necessária a atualização dos fluxos dos investidores. Em especial o nosso “queridinho” Fluxo das 10 Mais.

Conforme já vinha alertando a alguns dias, o Fluxo das 10 Mais, tanto no acumulado como no normal, apresentava uma entrada de capital estrangeiro. Na tabela ao lado, apresento os números dos últimos 12 dias.

Foram 10 pregões com saldo positivo e apenas dois apresentando números negativos. Lembrando que estes dados se referem exclusivamente as ações que  compõem o IBX100. Os números do mercado como um todo não são muito diferentes, mas conforme já mencionei aqui, algumas operações específicas (como por exemplo, OPAs ) acabam distorcendo os resultados.

Segue abaixo os gráficos do Fluxo das 10 Mais diário e diário acumulado:

diario

diarioacum

Fluxo 10 Mais – Diário

Fluxo 10 Mais – Diário Acumulado

Nota-se a divergência de alta, que acabou resultando na demarcação deste último fundo no Ibov.

Olhando para os gráficos semanal e semanal acumulado, a configuração é a mesma.

semanal

semanalacum

Fluxo 10 Mais – Semanal

Fluxo 10 Mais – Semanal Acumulado

Sempre lembrando, que o estudo do Fluxo das 10 Mais, ainda possui um histórico pequeno e por este motivo, deve ser analisado com bastante parcimônia.

Olhando o fluxo da Bovespa, a volta dos estrangeiros ainda não se mostra clara. Inclusive, até o dia 18 deste mês, os gringos apresentavam um saldo negativo de mais de R$2 bilhões.

bovespa

Fluxo Investidores Bovespa

Já no dólar futuro, os estrangeiros já começaram a fazer o caminho de volta. Nos treze primeiros dias de Agosto, eles se dedicaram a consolidar sua posição comprada em dólar nos pregões de derivativos cambiais da BM&F, transformando um saldo negativo no dia 30/07 de mais de 150mil contratos em um saldo positivo de 128mil contratos. Esta movimentação acaba rejeitando a operação de carry trade dólar versus real e desdenhando da oferta do maior juro real do mundo.

dolar

Fluxo Estrangeiros – Dólar Futuro

Aparentemente, o cenário no curto prazo parece tomar um novo rumo. Acompanhar como se comporta o Fluxo das 10 Mais vem sendo muito gratificante. Como já de costume queria contar com a ajuda de todos os amigos do blog. Caso tenham alguma sugestão ou crítica a dar para que possamos aprimorar ainda mais nosso acompanhamento dos fluxos, é só “falar” !  :)

Se quiser entender mais sobre o  Fluxo das 10 Mais, leia o artigo que deu origem ao estudo, clicando aqui.

.

Mais uma prova

Publicado em 18.08.2008 por na(s) categoria(s) Análises, Fluxo Investidores

A exatamente 1 ano, escrevi um artigo (Gringos: Eles ainda mandam !), usando como pano de fundo uma matéria do INI – Instituto Nacional de Investidores (www.ini.org.br), mostrando a forte influência dos estrangeiros no nosso mercado.

E para minha surpresa, este mês,  o INI atualizou o relatório sobre o assunto. Fazendo uma abordagem estatística e minuciosa, a matéria é mais uma prova que os estrangeiros continuam mandando como o principal player da Bovespa. Recomendo a leitura completa (faça o download aqui), mas abaixo apresento o quadro conclusivo:

estudo

Os estrangeiros apresentaram uma correlação ativa (ou seja a movimentação de compra ou de venda está na direção do índice) de 72%. Número ainda mais impressionante é a correlação negativa do investidor individual, 80%.

Se olharmos para os números do ano passado, percebemos que os estrangeiros aumentaram  a correlação ativa em cinco pontos percentuais.

O resultado do relatório do INI, me motiva ainda mais a continuar o estudo do Fluxo das 10 Mais e tentar encontrar um meio de identificar o “caminho das pedras” do capital dos gringos.

.

Fluxo 10 Mais – Corretoras

Publicado em 11.08.2008 por na(s) categoria(s) Fluxo Investidores

Na análise em vídeo desta semana, ficou faltando apresentar os gráficos do Fluxo das 10 Mais. Seguem abaixo :

fluxo1

fluxo2

Fluxo 10 Mais – Diário

Fluxo 10 Mais – Semanal

O que percebemos, tanto no gráfico diário como no semanal, é que recentemente os gringos diminuíram a pressão vendedora. Apesar da divergência gritante em relação ao Ibov, ainda é cedo (devido ao curto histórico do estudo) para declararmos que estamos diante de uma reversão. Inclusive o volume na maioria dos ativos foi muito pequeno.

Abaixo segue a relação das ações em destaque no estudo do Fluxo das 10 Mais, na semana passada:

fluxo3

Interessante o movimento de arbitragem realizado pelos estrangeiros na Petrobras, comprando PETR3 e vendendo PETR4.

Outro detalhe é a ausência da VALE5 na ponta vendedora. Nas últimas três semanas, o papel havía sido o destaque no saldo negativo. Semana passada a VALE5 fechou com um saldo positivo de mais de R$12 milhões. Pouco, se imaginarmos o volume médio diário do papel (R$ 700 milhões). Mas o fato de parar de “sangrar”, já é gratificante.

Por fim, queria mostrar um acompanhamento do Fluxo das 10 Mais dividido por corretora.

fluxo4

Nos gráficos acima, nota-se que na maioria das corretoras o fluxo parou de cair. A única excessão é o Morgan Stanley, que continua com um movimento decrescente. Na outra ponta, o JP Morgan e o Credit já apresentaram uma entrada de compradores de forma mais consistente.

Como já comentamos aqui em outra ocasião, me parece muito improvável que tenhamos um movimento altista simultaneamente em todas as dez corretoras que compõem o estudo. Até porque, me parece muito natural, que muitas delas realizem inclusive operações em conjunto. O importante é tentarmos pegar o grosso do movimento e identificarmos a tendência.

Se quiser entender mais sobre o Fluxo das 10 Mais, leia o artigo que deu origem ao estudo, clicando aqui.

.

Fluxo dos Estrangeiros – Julho

Publicado em 06.08.2008 por na(s) categoria(s) Fluxo Investidores

Pelo segundo mês consecutivo os estrangeiros visando suprir a falta de líquidez ocasionada pela crise subprime, venderam ativos brasileiros, levando o saldo na Bovespa a ficar negativo em R$7,62 bilhões.

Se somarmos apenas os últimos dois meses, alcançamos a inédita marca de R$15 bilhões que deixaram o país.

Do início do ano até 31 de julho, o fluxo de recursos dos investidores estrangeiros para o mercado de ações brasileiro está negativo em R$ 14,28 bilhões, segundo dados computados pela Bovespa. O número é resultado de vendas na casa de R$ 317,74 bilhões, contra R$ 303,46 bilhões de contratos comprados durante o período analisado.

fluxo1

fluxo2

fluxo3

Fluxo Bovespa
Acumulado

Fluxo Bovespa
Estrangeiros
Mensal

Fluxo Bovespa
Estrangeiros
Mensal Acumulado

Acima, eu trago alguns gráficos que ilustram a debandada gringa.

O mês de Agosto já começou também no vermelho. No primeiro dia do mês os estrangeiros retiraram mais de R$ 300 milhões do nosso mercado.

Mesmo sendo repetitivo, volto a afirmar, que não faço a menor idéia de quando o mercado voltará a subir, mas posso apostar que isso apenas ocorrerá quando tivermos o retorno do nosso principal player do mercado (smart money).

Mercados Real Time 28/05

Publicado em 28.05.2008 por na(s) categoria(s) Análises

10:20hs

Fechamento Ásia:

Shangai – China +2,47%
Nikkei – Japão -1,87%

Até o momento nos principais índices da Europa:

DAX – Alemanha +1,51%
FTSE – Inglaterra +0,93%
CAC-40 – França +1,86%

No Brasil, depois da abertura:

IBOV +0,18%
IVBX +0,11%
INDFUT +0,31%
Dólar Futuro -0,21%

Futuro EUA:

S&P500 +0,38%
Nasdaq +0,74%

10:50hs

Wall Street abriu no positivo. No momento Dow Jones +0,35% e S&P500 +0,20%.

Os pedidos de bens duráveis nos Estados Unidos apresentaram nova queda emabril, mas a retração foi menor que a esperada, contribuindo com a tendência de alta no mercado.

Os pedidos recuaram 0,5% para US$ 214,4 bilhões, depois da queda de 0,3% em março, divulgou há pouco o Departamento do Comércio. Os embarques subiram 1,2% para US$ 212,2 bilhões, após queda de 0,9% no mês anterior.

As encomendas de transportes caíram 8,0%. Excluindo a categoria de equipamentos de transporte, os pedidos subiu 2,5% no mês passado. Analistas esperavam que os pedidos recuassem 1,5%.

11:10hs

Temos no momento uma divergência interessante entre o Ibov e o IVBX. Enquanto a Petrobras e a Vale carregam o principal índice da bolsa de São Paulo para o campo negativo (-0,02%), as empresas de menor líquidez sustentam a alta do índice do Valor (+0,38%).

IBOV

IVBX

IBOV – Gráf. Diário

IVBX – Gráf. Diário

11:30hs
Fluxos:
Tivemos um recuo considerável no saldo dos estrangeiros na Bovespa. Devido a defazagem de dois dias que a Bovespa fornece os números, até o dia 23/05, ou seja sexta-feira da semana passada, o saldo no mês de Maio dos estrangeiros recuou em mais de R$1 bilhão, totalizando R$1,425 bilhão. Apesar de ainda positivo, os números comprovam que as quedas ocorridas na semana passada no Ibov, foram sustentadas pela realização de lucros dos gringos. Veja gráfico, abaixo:

fluxo1

Fluxo Bovespa

Nos contratos futuros da BMF (sem a defazagem) o saldo dos estrangeiros continua negativo e sem ainda definir uma tendência clara.

fluxo2

Fluxo BMF Índice

11:45hs

Inversão de tendências – O petróleo que abriu caindo, dando continuidade a queda de ontem, inverteu a tendência e agora sobe em NY.

Há pouco, o WTI para julho valorizava 0,51%, em Nova York, aos US$ 129,52. Em Londres, o Brent para o mesmo mês subia 0,94%, aos US$ 129,51.

Na mesma hora, o Dow Jones trabalhou praticamente toda a primeira hora no azul, acompanhou a mudança da commodity e inverteu a tendência. No momento caindo 0,04%.

DJI

petroleo

DJI – Gráf. Diário

Petróleo NY – Gráf. Diário

Isso demonstra como o bom humor das bolsas americanas está (hoje em dia) muito atrelado a forte incidência do capital especulativo no desempenho da commodity.
12:30hs

Próximo do final da primeira etapa da Bolsa brasileira, as ações do Banco do Brasil ON (BBAS3) subiam 2,81% a R$ 29,92, destaque do setor financeiro. As demais ações listadas no Ibovespa também negociavam em alta, ainda repercutindo o resultado das operações de crédito em abril. Os papéis do Bradesco PN (BBDC4) valorizavam 1,31% a R$ 38,54e Itaú PN (ITAU4) avançavam 1,48% a R$ 47,90. Já Unibanco UNT (UBBR11) ganhavam 2,44% a R$ 24,28, enquanto Banco Nossa Caixa (BNCA3) negociavam em alta de 0,58% a R$37,79.

Além da notícia sobre os resultados das operações de crédito, podemos notar que as ações dos bancos ficaram um pouco atrasadas em relação as outras blue chips brasileiras (principalmente dos setores de siderurgia e petróelo). Portanto, no momento ocorre um ajuste interessante, que pode ser aproveitado, independente da estratégia  do investidor(seja ela e curto ou longo prazo).

BBDC4

BBAS3

ITAU4

BBDC4 – Gráf. Semanal

BBAS3 – Gráf. Semanal

ITAU4 – Gráf. Semanal

15:36 hs
DBRS: AGENCIA ELEVA BRASIL A GRAU DE INVESTIMENTO
Menos conhecida, a agência acaba de elevar o Brasil a grau de investimento. Maiores detalhes, em breve.
16:00hs

DBRS: Agência eleva Brasil a grau de investimento  São Paulo, 28 de maio de 2008 – A agência canadense de classificação de risco DBRS divulgou comunicado, há pouco, informando que elevou o rating soberano de dívida do Brasil para grau de investimento. A classificação, de longo-prazo, passou de “BB (baixo)” para “BBB (alto)”, tanto em moeda local como em estrangeira. A agência também alterou a perspectiva da classificação  de”estável” para “positiva”.
De acordo com o documento da DBRS, a elevação reflete uma série de evoluções, tanto estruturais como políticas, que, juntas, estão fortalecendo qualidade de crédito do País.
Dentre as justificativas apresentadas, a agência destaca “a maior previsibilidade das políticas macroeconômicas, por conta de um crescente
consenso entre todos os partidos políticos quanto à política monetária e cambial”. Outro item ressaltado pela DBRS é o “reforço estrutural das
administrações públicas mais eficientes de receitas provenientes de cobrança de impostos”.
No relatório, a agência canadense analisa ainda que há uma maior disponibilidade de crédito bancário e de formalização da força de trabalho, bem
como uma melhoria da dimensão e da estrutura da dívida pública e uma posição mais resistente no que tange às relações externas do Brasil, que passou recentemente a ocupar a posição de “credor” mundial.
“Temos motivos para acreditar que o governo brasileiro continuará implementando um quadro prudente de política macroeconômica, mesmo após as eleições presidenciais em 2010″, declarou McCormick Fergus, analista da DBRS no Brasil.
A agência também analisa que a posição de exportador mundial de alimentos e combustíveis reduz o risco de aceleração da inflação no país nos próximos meses.
Segundo a DBRS, outros fatores que contribuíram para a elevação foram as recentes descobertas de petróleo e gás, que estão “iluminando as perspectivas” para o Brasil.
A DBRS é a segunda agência de rating a conferir o grau de investimento ao Brasil. No dia 30 de abril, a Standard & Poor’s Ratings Services divulgou
comunicado informando que elevou o rating soberano do Brasil para grau de investimento. A classificação, de longo-prazo, passou de “BB+” para “BBB-”, em moeda estrangeira. A S&P também elevou a classificação em moeda nacional de “BBB” para “BBB+”.
Na ocasião, a analista de crédito da S&P, Lisa Schineller, revelou que a elevação refletia a maturidade das instituições brasileiras e da política do
país, evidenciada pela flexibilização fiscal, pelas contas externas e pela melhora na perspectiva de crescimento.
A DBRS é uma entidade canadense, privada e independente, que fornece análises há mais de 30 anos de entidades e empresas de todo o mundo. A sede fica em Toronto.

Fonte: Agência Leia

A notícia, justifica a euforia que tomou conta da bolsa brasileira nesta tarde. No momento Ibov +2,50% e IVBX subindo mais de 3%.

17:30hs

O índice Dow Jones subiu 0,36% aos 12.594,03 pontos. O Nasdaq Composto teve avanço de 0,22%, em 2.486,70 pontos, e o S&P 500 valorizou 0,39% com 1.390,84 pontos.

Depois dos ajustes de fechamento, o Ibovespa encerrou hoje em 3,04% aos 73.153 pontos. O volume financeiro da bolsa foi de R$ 7,459 bilhões.

O IVBX subiu 3,28%. Confirmando a força das empresas de menor líquidez. Enquanto no anúncio da Standard & Poor’s as bluechips se destacaram, agora as vedetes foram as empresas menores.

Página 8 de 9123456789