Pular a navegação e ir direto para o conteúdo


Atualizando Livros Mercado Financeiro

Publicado em 18.06.2012 por na(s) categoria(s) Livros

Já faz um tempinho que eu não atualizava a página de Livros aqui do site. Pois bem, agora chegou a hora… vejam alguns livros em destaque da seção de finanças e economia que você pode encontrar nas melhores livrarias:

 

  MUNDO FINANCEIRO – O OLHAR DE UM GESTOR  – A obra versa sobre o mundo financeiro e traz lições, experiências vividas, opiniões e dicas da carreira de um gestor de fundos multimercados. Aborda também técnicas de gestão de recursos e seus novos conceitos de mercado, além de trazer dicas para os que iniciam sua trajetória profissional no mercado de investimentos.

 

 

 

LUCRANDO COM OS TUBAROES – AS ARMADILHAS DA BOLSA E COMO USA-LAS A SEU FAVOR- Este livro tem como proposta fornecer elementos para que o leitor possa identificar erros cometidos nas operações no mercado da bolsa de valores; prestar atenção nas situações-chave em que os players têm oportunidade de lucrar contra os investimentos realizados; conhecer algumas fragilidades das técnicas de análise existentes; oferecer subsídios para a melhora de resultados em tempos de incerteza, entre outros.

 

 

 MENTES BRILHANTES, ROMBOS BILIONARIOS – Segundo o livro, uma geração de pessoas do carteado conseguiu ascender ao mercado de ações ao usar a matemática computadorizada para compreender, prever e manipular os sistemas de precificação e negociação em Wall Street. Os ‘quants’, como eram chamados, acreditavam que uma mistura de cálculo diferencial, física quântica e geometria avançada era a chave para abrir os cofres dos mercados financeiros.

 

 

 

VALUATION – UM GUIA PRATICO - O livro aborda os principais itens que estudantes e profissionais devem levar em consideração na avaliação de empresas, como o risco do negócio, a estrutura humana, os recursos materiais, a idoneidade, o desempenho con il-financeiro, a conjuntura setorial e as expectativas quanto ao comportamento dos principais fundamentos de mercado. Além disso, auxilia no aprendizado da tarefa de cálculo, gestão e monitoramento do valor das organizações, uma vez que apresenta não só a teoria, mas principalmente a prática de avaliação de empresas. Trata-se de obra inédita no mercado brasileiro, pois alia a fundamentação teórica a estudos de casos adaptados de situações reais vividas pelas organizações, que ajudam no entendimento e aprimoramento do tema.

 

AÇOES COMUNS, LUCROS EXTRAORDINARIOS- Esta obra oferece elementos que visam a uma melhor compreensão sobre o tema, além de técnicas de avaliação que possibilita ao investidor se envolver mais com os seus investimentos, baseadas no registro de Philip Fisher e seu método para escolher e aplicar em ações.

 

 

 

OPERANDO COM TRADING SYSTEMS NA BOLSA DE VALORES – COMO INOVAR EM UM MUNDO CONECTADO EM REDE- Este livro é voltado para interessados e ativos no mercado financeiro que desejam utilizar a tecnologia para facilitar os investimentos e tem como objetivo servir de alicerce para a organização e a sistematização de ideias baseadas na análise técnica. Ao longo da obra, o leitor poderá verificar – as diferenças entre os perfis de operação (position, swing e day trader) e os critérios para a escolha dos ativos que serão operados; como interpretar e utilizar na prática as ferramentas da Análise Técnica (rastreadores, osciladores, bandas, volume e candlesticks); e a aplicação de cada estratégia com base em indicadores e os respectivos resultados nos últimos dez anos nos principais papéis negociados na bolsa de ações brasileira, com discussão dos prós e contras.

 

BENJAMIN GRAHAM – TEXTOS INÉDITOS- Nesta obra, Janet Lowe reúne uma seleção de textos escritos por Benjamin Graham, um investidor conhecido no mundo das finanças. Esses textos trazem ensinamentos e bom senso em investimentos. Este livro pode ajudar o leitor a se tornar um investidor e ingressar com sucesso na área de finanças.

 

 

 

 

Caso queira conhecer outros livros sobre o mercado financeiro, veja a página aqui do site sobre o assunto. Você poderá encontrar os melhores livros publicados no Brasil e divididos por categorias.

.

Resumo Semanal 15/06

Publicado em 15.06.2012 por na(s) categoria(s) Análises, Análises em Vídeo, Análises Semanais

IMPORTANTE: Para ver o vídeo, basta clicar no play. Na barra de comando, sugiro que coloquem a resolução de 720p, assim a qualidade será de HD. Além disso, clicando no canto inferior direito poderão assistir ao vídeo em tela cheia.

.

Disclaimer: O vídeo têm propósito exclusivamente informativo e o intuito apenas de servir como um canal de discussão sobre estratégias gráficas e fundamentalistas. Em nenhum momento, as opiniões pessoais do autor representam recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. O autor não recomenda que seja feito uso desses modelos em aplicações comerciais e por sua vez, não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas.

Fluxo Investidores atualizado

Publicado em 11.06.2012 por na(s) categoria(s) Fluxo Investidores

 

image image

O mês de Junho começou positivo no fluxo dos estrangeiros na Bovespa. Nos primeiros quatro pregões de junho o saldo de capital externo está positivo em R$ 640,546 milhões. A cifra é resultado de compras de R$ 10,328 bilhões e vendas de R$ 9,687 bilhões no período. No ano, a Bovespa acumula superávit de R$ 3,556 bilhões em recursos estrangeiros.

No Bovespa futuro, às vésperas do vencimento de índice, os investidores estrangeiros reduziram a posição, mas seguem “vendidos”. Até a última sexta-feira (dia 8), os investidores não residentes estão com 27.075 contratos em aberto nessa posição, resultado de 119.603 contratos na compra e 146.678 contratos na venda.

Abaixo eu trago alguns gráficos do fluxo da Bovespa dos últimos 6 anos.

image image

Os dois gráficos acima mostram a evolução do fluxo dos estrangeiros na periodicidade mensal e anual. Estes são valores até o dia 31 de Maio de 2012.

O que fica evidente nestes gráficos é como a entrada/saída dos gringos influencia diretamente a nossa bolsa. Basta ver a fuga de R$25 Bilhões em 2008, no auge da crise subprime, quando o Ibovespa perdeu 41%. Assim como, o retorno dos gringos um ano depois, em 2009, injetando R$20Bilhões e o Ibov se valorizando 82%.

image

Este outro gráfico  representa o saldo acumulado dos últimos 6 anos na periodicidade mensal. Como já citei em artigos anteriores, a divergência ocorrida em 2007/2008 representa mais um sinal claro de como acompanhar a movimentação dos estrangeiro se torna importante.

Atualmente a forte correção do Ibov não foi acompanhada com a mesma intensidade pelo fluxo dos gringos. Seria apenas uma questão de tempo ou estamos diante de uma oportunidade de investimento para o longo prazo?

Resumo Semanal 08/06

Publicado em 08.06.2012 por na(s) categoria(s) Análises, Análises em Vídeo, Análises Semanais

IMPORTANTE: Para ver o vídeo, basta clicar no play. Na barra de comando, sugiro que coloquem a resolução de 720p, assim a qualidade será de HD. Além disso, clicando no canto inferior direito poderão assistir ao vídeo em tela cheia.

.

Disclaimer: O vídeo têm propósito exclusivamente informativo e o intuito apenas de servir como um canal de discussão sobre estratégias gráficas e fundamentalistas. Em nenhum momento, as opiniões pessoais do autor representam recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. O autor não recomenda que seja feito uso desses modelos em aplicações comerciais e por sua vez, não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas.

Ensinamentos da derrocada do Banco Cruzeiro do Sul

Publicado em 04.06.2012 por na(s) categoria(s) Análise Fundamentalista, Aprendizado, Estratégias, Informações

 

Hoje o mercado financeiro amanheceu com a notícia de que o Banco Central interveio no banco Cruzeiro do Sul e em outras quatro empresas do grupo, por meio do mecanismo conhecido como Regime de Administração Especial Temporária (Raet), pelo prazo de 180 dias. Durante esse período essas empresas serão administradas pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). O motivo da intervenção, segundo declaração do próprio BC, se deve ao descumprimento de normas aplicáveis ao sistema financeiro e à verificação de “insubsistência” em itens do ativo do banco.

Além do banco, o grupo Cruzeiro do Sul, incluía uma DTVM (administradora de valores mobiliários), uma corretora de valores, uma securitizadora e uma holding financeira.

A empresa era listada na bolsa através dos seguintes códigos: CZRS3 e CZRS4. Hoje, os negócios destes papeis foram suspensos.

Como era de se esperar, as ações dos demais bancos médios negociados na Bovespa, sofreram os efeitos negativos da notícia. Banco Bic (BICB4) –4,9%, Paraná Banco (PRBC4) –3,5%, Daycoval (DAYC4) –1,9%, Banco Pine (PINE4) –0,5%, ABC Brasil (ABCB4)–1%, etc. (cotações das 13hs de hoje)

Este é o hábito do mercado, colocar no mesmo barco todas as ações do setor, mesmo que haja diferenças gritantes no tipo de negócio de cada instituição.

Segundo dados do BC, em 2011, o Banco Cruzeiro do Sul respondia por apenas 0,22% do total dos ativos do sistema financeiro e 0,35% dos depósitos. Ou seja, não se trata de nenhum gigante do setor, capaz de abalar o mercado e criar um efeito dominó. Mas é bom lembrar que este é o segundo banco, em menos de dois anos (o Panamericano foi resgatado no final de 2010) a ser resgatado pelo FGC.

O que chama a atenção é que olhando para os múltiplos recentes do Cruzeiro do Sul não conseguimos enxergar com exatidão a deterioração da instituição.

 

image image image

image image image

Apesar do aumento das despesas com a provisão de devedores duvidosos (PDD) e com a queda acentuada do lucro líquido e do ROE no último trimestre, o banco ainda mostrava crescimento na receita financeira e no resultado operacional. Além disso, o índice de eficiência, usado pelas instituições financeiras como referencial, se encontrava bastante confortável desde 2007.

Ou seja, olhando apenas para os números frios do balanço, dificilmente algum investidor se preocuparia com a saúde da companhia. Agora, depois de ocorrida a intervenção, surge a notícia que nas notas explicativas do balanço do primeiro trimestre de 2012, a  Ernst &Young, fez uma ressalva informando que o banco fez um diferimento que não está de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil.

Além disso, muita gente comentava nos corredores do mercado, sobre as altas taxas pagas pelos CDBs da empresa. Alguns CDBs mais longos, chegavam a pagar 116,5% do CDI.

A derrocada do Banco Cruzeiro do Sul deve ser servir como um ensinamento.

Apesar de a análise fundamentalista dos múltiplos servir como um excelente filtro para a seleção de boas companhias, é importante ter a consciência que o trabalho está apenas começando. Antes de investir em uma ação é preciso conhecer a fundo o negócio da empresa, estudar com atenção os balanços (sem esquecer as notas explicativas…) , falar com o RI, pesquisar com afinco tudo sobre a cia na net e claro analisar graficamente as ações afim de verificar se o fluxo está a teu favor.

E por fim, utilize um bom manejo de risco. Afinal de contas, muitas vezes, mesmo executando todos os passos sugeridos, a operação não transcorre do jeito que esperávamos. Nestes casos, apenas a capacidade, financeira e psicológica, de assumir as perdas permitirá que você permaneça no mercado.

.

Resumo Semanal 01/06

Publicado em 01.06.2012 por na(s) categoria(s) Análises, Análises em Vídeo, Análises Semanais

IMPORTANTE: Para ver o vídeo, basta clicar no play. Na barra de comando, sugiro que coloquem a resolução de 720p, assim a qualidade será de HD. Além disso, clicando no canto inferior direito poderão assistir ao vídeo em tela cheia.

.

Disclaimer: O vídeo têm propósito exclusivamente informativo e o intuito apenas de servir como um canal de discussão sobre estratégias gráficas e fundamentalistas. Em nenhum momento, as opiniões pessoais do autor representam recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. O autor não recomenda que seja feito uso desses modelos em aplicações comerciais e por sua vez, não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas.

Setor Imobiliário – 1o. trimestre de 2012

Publicado em 28.05.2012 por na(s) categoria(s) Análise Fundamentalista, Análise Técnica, Análises, Aprendizado, Estratégias

 

Chegou a hora de atualizar o estudo das construtoras com os dados do primeiro trimestre de 2012. Caso você ainda não conheça a abordagem deste estudo, dê uma olhada nos artigos anteriores: Artigo 1 e Artigo 2.

Comparando a tabela atual (abaixo) com os números apresentados nos trimestres anteriores, salta rapidamente aos olhos a queda na margem operacional e no retorno sobre o patrimônio líquido das construtoras.

Enquanto a média da Margem Ebit no 3trimestre de 2011 estava em 17,89%, alcançando 18,40% no 4trimestre de 2011, agora o percentual caiu para 17,10%. Já o ROE que nos números do ano passado se situava na casa dos 14%, despencou para 12,54%.

Tabela do estudo:

image

Resultado de cada múltiplo analisado:

image

 

  • Metodologia do estudo

A metodologia utilizada para o estudo é a mesma apresentada nos artigos anteriores. Utilizando os oito indicadores fundamentalistas mostrados na tabela acima, identifiquei o grau de atratividade de cada um deles e dei uma pontuação para cada ativo.

Por exemplo, no caso do P/L, listei em ordem crescente (do menor ao maior) os ativos. No caso, RSID, por ser o ativo que possuía a menor relação preço/lucro, ficou com 1 ponto. A MRVE3 com 2 pontos, a EVEN3 com 3 pontos… e assim por diante.

  • Ordem

P/L – EV/Ebit – DIv. Br/PL – Ordem crescente

ROE – Margem Ebit – LPA/P – Liq. Corrente – Div./Yield – Ordem decrescente

  • Cotação

O P/L, o EV/Ebit e o PLA/P usaram a cotação de sexta-feira, dia 25/05/2012, como parâmetro.

 

Resultado final:

image

 

De uma forma geral os balanços das cias ficaram abaixo das expectativas. Muitas empresas se deixaram levar pelo boom do setor dos últimos anos e temerosas em perderem oportunidades, compraram terrenos por valores acima da média do mercado e não se estruturam para enfrentar o aumento da demanda. Hoje em dia, são crescentes as queixas de consumidores que reclamam, nos órgãos de defesa do consumidor, de construtoras que não respeitaram os prazos de entrega dos imóveis.

E é neste cenário, que as empresas mais conservadoras e focadas na manutenção das margens, se destacam. São elas que trimestre após trimestre aparecem como as mais bem qualificados no meu estudo.

Hoje, foi divulgado o  Índice Nacional da Construção Civil (INCC) do mês de Maio. O indicador mostrou uma alta de 1,30%, ante 0,83% do mês de Abril. No ano, o índice acumula variação de 3,63% e em 12 meses, de 7,16%.

A alta dos custos reflete a dura realidade e o descompasso que o setor vive.

Abaixo, eu apresento um gráfico da evolução das margens operacionais das empresas desde 2009. Importante salientar, que o Ebit usado como calculo é o acumulado de 12meses.

 

image

 

Apesar de o gráfico ter ficado um pouco poluído, devido o grande número de cias do setor, é possível distinguir as que conseguem manter um patamar elevado de retorno e as que encontram sérias dificuldades com a elevação dos custos.

Uma particularidade importante do setor imobiliário é a forma como é contabilizada a receita. Enquanto, nos demais setores, em regra, a receita é contabilizada no mesmo momento da venda, no ramo imobiliário  a receita contábil somente é reconhecida de acordo com o andamento da obra e da venda.

Esta metodologia distinta prejudica alguns indicadores fundamentalistas, visto  que, muitas vezes um atraso na obra pode significar a postergação de um faturamento, mesmo que todos os imóveis já tenham sido vendidos.

 

IMOB

 

Para finalizar, não podia deixar de comentar a recuperação recente das ações do setor. Alguns papeis mostram uma valorização superior a 30% nos últimos 5 dias. Examinando o gráfico do índice imobiliário (acima), o IMOB, que reúne as principais empresas do setor, vejam como a retomada ocorre em cima de uma importante zona de suporte na faixa dos 700 pontos.

Dificilmente este otimismo do mercado continuará em todos os ativos do setor. E é aqui que entra o meu estudo. A abordagem acima tem a  missão de colaborar com o investidor,  mostrando as empresas que conseguem apresentar números superiores às concorrentes, e que devem, em tese, performar melhor no futuro.

O que achou do estudo? Não concordou com a metodologia? Quer sugerir algo diferente? Deixe um comentário, manifestando a tua opinião. Este blog é mantido visando incentivar a troca de informações e ideias entres os investidores pessoas físicas. Participe !

 

Resumo Semanal 25/05

Publicado em 25.05.2012 por na(s) categoria(s) Análises, Análises em Vídeo, Análises Semanais

IMPORTANTE: Para ver o vídeo, basta clicar no play. Na barra de comando, sugiro que coloquem a resolução de 720p, assim a qualidade será de HD. Além disso, clicando no canto inferior direito poderão assistir ao vídeo em tela cheia.

.

Disclaimer: O vídeo têm propósito exclusivamente informativo e o intuito apenas de servir como um canal de discussão sobre estratégias gráficas e fundamentalistas. Em nenhum momento, as opiniões pessoais do autor representam recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. O autor não recomenda que seja feito uso desses modelos em aplicações comerciais e por sua vez, não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas.

O Beta e as operações long short

Publicado em 21.05.2012 por na(s) categoria(s) Análise Fundamentalista, Aprendizado, Destaques, Estratégias

 

Operações de long short são operações relativas entre ações, com uma ponta apostando na alta e comprando ações (long) e a outra apostando na baixa e vendendo outras ações (short).

Já tive oportunidade de escrever outros artigos aqui no blog sobre o assunto. Se você tem pouca familiaridade com o tema, vale a pena a leitura: “ Long/short: O que é isso ? “ e “ Arbitragem e Long/Short “.

De forma resumida, quando decidimos investir em um fundo long short sabemos que ele não depende de tendências macro, ou seja do famoso direcional do mercado, para que possa obter um retorno satisfatório. Este é um aspecto muito interessante que transforma este tipo de fundo quase obrigatório no portfólio de um investidor que busca se proteger do momento de indefinição de um mercado lateral.

E foi ao analisar a estratégia de um fundo long short na semana passada que resolvi escrever sobre o assunto. Não cabe aqui citar a gestora responsável por este fundo, mas posso assegurar que se trata de uma renomada instituição do nosso mercado.

O prospecto do fundo enfatizava que o fundo utilizava a teoria do Beta como parâmetro para encontrar oportunidades long short no mercado.

Relembrando: Beta, é um índice que mede a variação de uma ação em relação a uma carteira de mercado, perfeitamente diversificada. No caso brasileiro, o IBOVESPA é utilizado.

Por exemplo, se fizermos uma regressão entre os retornos da VALE5 e do IBOV, constatamos que para cada 1% de variação do índice, a ação da mineradora sobe 1,1%. Portanto, o Beta da Vale é de 1,1. Já o Bradesco, menos volátil, possui um Beta de 0,7.

Imaginando uma operação de long short entre os dois ativos e utilizando a teoria do Beta adotada pelo fundo, teríamos:

Beta da VALE5 / Beta do BBDC4 = 1,1/0,7 = 1,5

 

Ou seja, para cada 1,5 ação do BBDC4 comprada devo vender uma ação da VALE5.

Esta abordagem, teoricamente, deixaria a operação completamente adirecional, já que estaria utilizando a performance histórica dos dois ativos como parâmetro para definir o tamanho da posição em cada ponta.

Mas este é exatamente o problema. Como já estamos cansados de saber, nem sempre a performance e principalmente a volatilidade de um determinado ativo no passado se repete no futuro. Ou seja, é muito provável que o Beta varie bastante no decorrer da nossa operação. Isso nos obrigaria a rebalancear nossas posições e desta forma os custos de transação (corretagens e emolumentos) cresceriam muito, inviabilizando este modelo de estratégia.

Como vocês podem perceber, uma ideia que se mostra muito atrativa na teoria nem sempre pode resultar em bons resultados na pratica.

Questionei o distribuidor do fundo sobre essa particularidade (infelizmente não consegui acesso ao gestor) e até o momento ainda não obtive uma resposta sobre a minha indagação.

Vejam bem, não quero em nenhum momento afirmar que esta modalidade operacional está errada ou que não pode ser rentável. Até porque, sabemos que as grandes gestoras possuem enormes facilidades operacionais e de custo que ajudariam na estratégia.

A minha intenção visa apenas discutir o assunto com vocês e apresentar um pouco mais sobre as modalidades operacionais disponíveis na nossa bolsa.

 

Resumo Semanal 18/05

Publicado em 18.05.2012 por na(s) categoria(s) Análises, Análises em Vídeo, Análises Semanais

IMPORTANTE: Para ver o vídeo, basta clicar no play. Na barra de comando, sugiro que coloquem a resolução de 720p, assim a qualidade será de HD. Além disso, clicando no canto inferior direito poderão assistir ao vídeo em tela cheia.

.

Disclaimer: O vídeo têm propósito exclusivamente informativo e o intuito apenas de servir como um canal de discussão sobre estratégias gráficas e fundamentalistas. Em nenhum momento, as opiniões pessoais do autor representam recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. O autor não recomenda que seja feito uso desses modelos em aplicações comerciais e por sua vez, não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas.